Água em vez de gasolina apeou Andrew Short

O abandono prematuro de Andrew Short no Rali Dakar caiu como uma bomba no seio da Monster Energy Yamaha Rally Official Team. Elementos afectos à organização do Dakar colocaram água em vez de gasolina na Yamaha WR450F Rally e esta recusou-se a prosseguir em prova, na etapa que ligou Bisha a Wadi Ad-Dawasir…

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

O piloto norte-americano não caiu, não se perdeu nas dunas lunares e não teve qualquer problema mecânico na sua moto, mas sim atraiçoado no abastecimento, com elementos afectos à estrutura organizativa a colocar água em vez de gasolina na Yamaha WR450F Rally.

O terrível acontecimento aconteceu na zona de reabastecimento da segunda etapa, entre Bisha e Wadi Ad-Dawasir, e, ao que tudo indica, foi colocado água em vez de combustível no depósito da moto. Andrew Short ficou completamente despedaçado quando, após reabastecer, a Yamaha WR450F Rally deixou de colaborar.

O piloto tentou por todos os meios prosseguir em prova, mas a moto declinou todas as intenções de Andrew Short, até porque qualquer o motor é “alérgico” a água e não saiu do local onde se encontrava.

O jovem norte-americano e ex-piloto da AMA Supercross e Motocross utilizou as redes sociais para aliviar o que lhe ia na alma, sublinhando que «é muito triste estar fora da corrida, sobretudo por se tratar de uma prova muito especial como é o Dakar e, terminar desta forma, é bastante penoso, porque trabalha-se o ano todo para este evento».

«Gostei bastante de tudo o que foi feito até ao abandono», reconhecendo que a navegação «foi muito difícil e desafiadora», não enjeitando a oportunidade para «agradecer à equipa o árduo trabalho que desempenhou para esta corrida, com a mesma paixão que eu vivi».

Quem não poupou o vocábulo para descrever o que aconteceu a Andrew Short foi Pedro “Barbaças” Almeida. O conimbricense e manager e coordenador técnico da equipa oficial Monster Energy Yamaha Rally Official Team, não entende «a postura da organização, única responsável por uma situação destas e nada fez para minimizar o prejuízo causado».

«Infelizmente as motos ainda não funcionam a água e ficar arredado da corrida é bastante lamentável, mas da forma como Andrew Short ficou é, no mínimo, lastimável e incompreensível. Quando se deve a factores extras ainda é mais revoltante, e ainda por cima num altura que o nosso piloto encontrava-se na quarta posição na etapa», argumentou Pedro “Barbaças”.

O responsável da equipa oficial Monster Energy Yamaha Rally Official Team continua a não assimilar que, no reabastecimento, «a organização coloque água em vez de gasolina no depósito da Yamaha WR450F Rally e, depois, diz q não pode fazer nada». «Não é nada fácil de digerir, mas assim torna-se muito mais difícil de prosseguir a missão que temos traçado», argumentou Pedro “Barbaças”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *