Africa Eco Race em festa… em Dakar

Sem influência na classificação serviu apenas para os sobreviventes festejarem a chegada à capital do Senegal, objectivo com que partiram, no dia 4, de Monte Carlo.

PEDRO RORIZ E CARLOS SOUSA (auto.look2010@gmail.com)

O tradicional Sector Selectivo (21,93 km) desenhado no Lac Rose fechou, como sempre sucedeu, mais uma edição do Africa Eco Race, iniciativa do francês René Metge com o objectivo de recuperar o espírito do “Dakar” criado pelo seu compatriota Thierry Sabine.

Nas motos, o italiano Alessandro Botturi (Yamaha) levou a melhor no duelo travado com o norueguês Pal Anders Ullevalseter (KTM) e assegurou a vitória, depois de ter comandado a maior parte da prova, com o inglês Lyndon Poskitt (KTM) a completar o pódio, depois de, no derradeiro SS, ter desalojado o italiano Paolo Lucci (Husqvarna), do terceiro lugar.

Referência para o facto do português João Rolo (KTM) integrar a classificação final da prova. Terminou na 64.ª posição, mas os problemas diário na sua moto da marca austríaca deixou-o a 149h15m47s de diferença do italiano Alessandro Botturi.

O piloto de Anadia não evitou atrasos sucessivos na sequência de várias penalizações por não concluir algumas das etapas da prova. Ficou, no entanto, uma enorme experiência para encarar futuras edições.

Nos automóveis, após cerrada luta, o francês Patrick Martin (Mercedes Benz) garantiu o triunfo à frente do “peso pesado” do húngaro Miklos Kovacs (Scania), que foi um sério adversário e que esteve perto de conseguir que, pela primeira vez, um camião estivesse no topo da classificação conjunto de automóveis e camiões.

Fernando Barreiros, navegado pelo irmão Nuno Barreiros, encerrou a sua participação na sua Isuzu na 47.ª posição entre 49 concorrentes, a 138h24m25s para o vencedor. À semelhança de João Rolo, também Fernando Barreiros não teve a sorte pelo seu lado, acumulando problemas atrás de problemas.

«Todos os dias tivemos uma vida difícil com imprevistos para ultrapassar. Foi bom termos sido postos à prova e obrigados a sair da nossa zona de conforto, mas conseguimos ultrapassar todas essas dificuldades que tivemos ao longo destes últimos 15 dias. Foi muito bom e tenho de agradecer à equipa que nos acompanhou porque foram todos fantásticos», disse o piloto português. Resta agora esperar pela próxima edição de uma competição que, sem a visibilidade do “Dakar”, continua a levar concorrentes até ao continente africano, como sonhou Thierry Sabine.

CLASSIFICAÇÕES

GERAL

MOTOS – 1.º, Alessandro Botturi (Yamaha), 48.47’30”; 2.º, Pal Anders Ullevalseter (KTM), a 3’59”; 3.º, Lyndon Poskitt (KTM), a 51’56”; 4.º, Paolo Lucci (Husqvarna), a 55’32”; 5.º, Martin Benko (KTM), a 5.23’47”; …; 64.º, João Rolo (KTM), a 149.15’47”

AUTOMÓVEIS/CAMIÕES – 1.º, Patrick Martin/Lucas Martin (Mercedes Benz), 49.15’11”; 2.º, Miklos Kovacs/Laszlo Acs/Peter Czegledi (Scania), a 1.06’53”; 3.º, Karoly Fazekas/Albert Horn/Peter Csakany (Scania), a 4.43’10”; 4.º, Benoit Fretin/Cédric Duplé (Can-Am9, a 4.43’42”; 5.º, Tomas Tomecek (Tatra), a 5.12’19; …; 47.º Fernando Barreiros/Nuno Barreiros (Isuzu), a 138h24m25s.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: