Adruzilo Lopes implacável no Rali de Mortágua

Depois da dupla passagem por Mortágua, Laceiras e Aguieira, o piloto de Regilde, Felgueiras, dominou as operações da prova do Campeonato de Ralis – Promo desenhada pelo Clube Automóvel do Centro, apena cedendo na super-especial de Mortágua na véspera.

(auto.look2010@gmail.com)

Num universo de sete especiais, Adruzilo Lopes, navegado por Paulo Leones, apenas cedeu na super-especial noturna de sexta-feira, o que traduz na perfeição a vitória confortável conquistada para o Campeonato Promoção, construída a partir da primeira especial deste sábado, ampliando paulatinamente a vantagem para os seus mais directos opositores.

O piloto de Regilde, Felgueiras, superou as adversidades ao volante do Mitsubishi Lancer Evo IX, mas sem nunca desviar o olhar dos rival que, com viaturas idênticas, estavam em pé de igualdade para atacar a qualquer momento. Fernando Peres e José Pedro Silva foram os primeiros líderes da competição, dormindo de sexta-feira para sábado numa almofada de somente 0,1 segundos de vantagem para Adruzilo Lopes.

Logo após a primeira incursão pela especial de Mortágua, o piloto minhoto saltou para o topo da classificação até ao final da prova do Clube Automóvel do Centro, com Fernando Peres mergulhado num mar de problemas que se revelou fatal ao longo do dia. A bomba central que comanda os diferenciais ficou sem limitadores, provocando falhas no Mitsubishi Lancer Evo IX que perdurou até ao fim da aprova, ficando separados por 3m29,3s.

Como no meio é que está a virtude, Fernando Teotónio e Luís Morgadinho, em viatura idêntica e com o qual logrou o triunfo em Vieira do Minho, prova inaugural do Campeonato Promo, limitou-se a ganhar a posição intermédia, a 1m07,2s. O piloto do Fundão colheu frutos preciosos para o campeonato, saindo de Mortágua com os pontos suficientes para garantir a liderança destacada do Promo.

Implacáveis estiveram os poiarenses Gonçalo Henriques e António Santos. O piloto Poiarpeças debruçou-se sobre o volante do Peugeot 208 R2 – precisamente o mesmo com que Armando Carvalho conduziu ao segundo lugar no Rali da Bairrada, mas em pisos de asfalto – e delineou um estratagema inexorável, que o levou ao quarto lugar da geral, e primeiro nas Duas Rodas Motrizes.

Uma prestação que Gonçalo Henriques já nos habituou, não só pela sua irreverência, mas pelas qualidades que emprega atrás de qualquer volante e, no Rali de Mortágua, “prendeu” a atenção do público, entusiasmado por superar viaturas 4×4 e pisos de terra.

Ao volante de um Mitsubishi Lancer Evo IX, Rui Borges, que faz equipa com André Ventura, fechou o “top five”, à frente de Gaspar Pinto e Bernardo Gusmão (Mitsubishi Lancer Evo VIII), com Rui Santos Silva e João Sebastião, em Subaru Impreza STi N15, a cotarem-se os sétimos mais rápidos.

A dupla formada por Henrique Rodrigues e Daniel Rodrigues conduziu o Mitsubishi Lancer Evo VII ao oitavo lugar, relegando para o nono posto Eduardo Santos e Pedro Dias da Silva, em Peugeot 208 R2, arrecadando o segundo lugar das 2RM.

A fechar o top 10, Alexandrino Dinis e Luís Ribeiro, em Mitsubishi Lancer Evo IX, acentuaram o 10.º lugar da classificação geral, depois de terem ultrapassado o Ford Fiesta R2T de Mário Castro e Ricardo Cunha já parte final da prova, ficando a consolação de recamar o terceiro posto nas Duas Rodas Motrizes.

DIEGO RUILOBA: UM “LEÃO”

NA PEUGEOT RALLY CUP IBÉRICA

A segunda prova da Peugeot Rally Cup Ibérica da presente temporada teve o condão de provocar os festejos à dupla espanhola Diego Ruiloba e Andrés Blanco. Em Mortágua, a formação do Peugeot 208 Rally4 venceu a competição do Clube Automóvel do Centro e ascendeu ao lugar mais alto da tabela classificativa e termos gerais.

O pódio ficou completo com os compatriotas Roberto Blach e Mauro Barreiro, no segundo lugar, e Andrés Marieyhara e Ariday Bonilla no terceiro. O domínio dos Peugeot 208 Rally4 da copa nesta prova pontuável para o Campeonato de Portugal de Ralis de Duas Rodas Motrizes, ocupando todos os lugares do pódio absoluto até ao 7.º lugar.

Líderes da copa à entrada deste rali, Óscar Palomo e “Xavi” Moreno começaram mal na super-especial de sexta-feira, para depois vencerem um troço e logo a seguir abandonarem. A vitória de Diego Ruiloba e Andrés Blanco e o melhor tempo na PowerStage permitiu-lhes assumirem a liderança da copa, tendo uma vantagem de oito pontos sobre Ernesto Cunha e Rui Raimundo, os melhores portugueses.

ERNESTO CUNHA VENCE NAS DUAS RODAS MOTRIZES

Quanto ao Campeonato de Portugal de Ralis Duas Rodas Motrizes, o marinhense Ernesto Cunha e o portuense Rui Raimundo foram os vencedores em território mortaguense, beneficiando do abandono de Ricardo Sousa e Luís Marques com problemas mecânicos no Peugeot 208 Rally4.

Um contratempo logo na super especial, perdendo mais de três minutos, mas que ficou marcado por um excelente desempenho para recuperar o tempo perdido, tanto na prova ibérica como na competição nacional, terminando em sétimo da geral, terceiro do CPR 2RM.

Por seu turno José Loureiro e Valter Cardoso, também em Peugeot 208 Rally4, terminaram em sexto da PRCI e em segundo o CPR 2RM, a 2m23,0s de Ernesto Cunha. Nuno Coelho/Rafael Paiva (Renault Clio Rally4) perdeu o pódio do CPR 2RM na última especial, ultrapassado por Ricardo Sousa.

Nos Clássicos, a vantagem fiou do lado de José Merceano e Francisco Pereira, em Mitsubishi Lancer Evo IV, com o tempo de 1h04m26.3s. A segunda e terceira posição ficara na posse de Luís Mota e Alexandre Ramos (Mitsubishi Lancer VI), e Luís Fonseca e Duarte Gouveia (Peugeot 306 S16), a 16,7s e 30m35,3s, respectivamente.

Na Prova Extra, Miguel Correia e José Carvalho mantiveram de fio-a-pavio um ritmo forte e consistente, liderando com o tempo total de 50m59,8s, seguidos dos norte-americanos Sean Johnston e Alexander Kihurani (Citroën C3 Rally2), a 19,1 segundos de diferença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.