A vitória mais desejada da Ferrari no GP de Itália

Terceiro fim-de-semana de corridas consecutivos, com o neerlandês Max Verstappen (Red Bull/Honda) apostado em manter a invencibilidade que conserva desde a França e que lhe permitiu averbar quatro vitórias consecutivas.

PEDRO RORIZ (auto.look2010@gmail.com)

Só que, desta vez, “joga no terreno do adversário”, que vai contar com milhares de “tiffosi” apostados em ver um carro vermelho ser o primeiro a fazer agitar a bandeira de xadrez, naquela que é a vitória mais desejada da Ferrari.

Trata-se de algo que poderá ser possível se, no muro das “boxes”, não houver opções de estratégia erradas, como tantas vezes tem sucedido, com a consequente fuga de triunfos que pareciam certos.

Entretanto, tudo aponta para que o acordo entre a Red Bull e a Porsche, que seria válido a partir de 2026, ano em que entra em vigor a nova regulamentação, não seja concretizado, por a Red Bull estar apostada no desenvolvimento dos seus próprios motores, imitando a Ferrari e a Mercedes. Nesse caso a McLaren poderá ser a porta de entrada da Porsche na F1.

Por outro lado, em Maranello, os dias que mediaram entre as corridas de Zandvoort e Monza foram aproveitados para introduzir alterações no carro, para permitir ao monegasco Charles Leclerc (Ferrari) e ao espanhol Carlos Sainz (Ferrari) discutirem a “pole”, não tão importante como noutros traçados, porque não faltam pontos de ultrapassagem no rápido circuito italiano e a vitória.

Uma das novidades será a nova asa, que os responsáveis da equipa esperam que permita obter maior velocidade de ponta, factor fundamental no rápido traçado transalpino, e com isso discutir com a Red Bull e a Mercedes o triunfo na corrida.

Mercedes que, em Zandvoort, errou na estratégia, o que terá impedido o inglês Lewis Hamilton (Mercedes) de vencer no “terreno do adversário”, com o piloto a não esconder a frustração pela decisão da equipa de não lhe trocar os pneus, para macios, na fase final da corrida, numa situação de “Safety Car”, como fez Max Vertappen, o que lhe acabou por garantir a vitória, numa repetição da situação verificada na derradeira corrida do ano passado, quando o neerlandês ultrapassou o inglês e garantiu a conquista do título.

Intensa será, igualmente, a luta no segundo pelotão, com os pilotos da Alpine, McLaren e Alfa Romeo apostados em conseguir essa “vitória”, que pode ser importante quando no final do ano se fizerem contas ao que cada equipa vai receber em função da classificação no campeonato de construtores.

CLASSIFICAÇÕES DOS CAMPEONATOS

PILOTOS – 1.º, Max Verstappen, 310 pontos; 2.º, Charles Leclerc, 201; 3.º, Sergio Perez, 201; 4.º, George Russell, 188; 5.º, Carlos Sainz, 175; 6.º, Lewis Hamilton, 158; 7.º, Lando Norris, 82; 8.º, Esteban Ocon, 66; 9.º, Fernando Alonso, 59; 10.º, Valtteri Bottas, 46; 11.º, Kevin Magnussen, 22; 12.º, Sebastian Vettel, 20; 13.º, Daniel Riccardo, 19; 14.º, Pierre Gasly, 18; 15.º, Mick Schumacher, 12; 16.º, Yuki Tsunoda, 11; 17.º, Guaynu Zhou, 5; 18.º, Lance Stroll, 5; 19.º, Alexander Albon, 4.

CONSTRUTOES – 1.º, Oracle Red Bull Racing, 511 pontos; 2.º, Scuderia Ferrari, 376; 3.º, Mercedes-AMG Petronas F1 Team, 346; 4.º, BWT Alpine F1 Team 125; 5.º, McLaren F1 Team, 101; 6.º, Alfa Romeo F1 Team ORLEN, 51; 7.º, Haas F1 Team, 34; 8.º, Scuderia AlphaTauri, 29; 9.º, Aston Martin Racing, 25; 10.º, Williams Racing, 4.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.