40 anos de criações visionárias da Citroën

Na tradição de inovação amplamente reconhecida, que foi, desde 1919, a imagem de marca dos automóveis Citroën, os últimos 40 anos foram particularmente férteis e, desde a introdução do Citroën Karin no Salão de Paris de 1980, a marca nunca deixou de surpreender com os seus concept-cars, estudos que preconizaram inovações tecnológicas surpreendentes, tendências de design e a chegada de novos conceitos de veículos ao mercado.

(auto.look2010@gmail.com)

Em 1980, a Citroën apresentou-se no Salão Automóvel de Paris, tendo como principal atracção do seu espaço, e do próprio “Mondial de l’Automobile” desse ano, um veículo invulgar e sem perspectivas de comercialização a breve trecho. Chamava-se Karin, um novo concept-car da marca francesa.

Desde a sua fundação em 1919, as equipas da Citroën sempre reflectiram sobre o futuro do automóvel e traduziram-no em protótipos e novas ideias que foram incorporadas nos veículos da marca. Por exemplo, os monovolumes tão populares nas últimas décadas foram antevistos por veículos como o C-10, desenvolvido em forma de gota de água, inspirada no mundo da aeronáutica. Era o estudo de um automóvel compacto, económico e aerodinâmico.

O Karin, com as suas formas trapezoidais e estética piramidal sobre rodas, revelou uma visão sem precedentes sobre a evolução do automóvel para as próximas décadas. O trabalho do designer britânico Trevor Frost apresentava um habitáculo não menos inovador, com três lugares, com o condutor posicionado ao centro, podendo lidar com todas as funções do veículo a partir do volante. O seu legado está à vista em vários modelos Citroën dos anos 80 e 90, como o BX, o AX ou o XM.

Nos últimos 30 anos, a Citroën recorreu aos múltiplos concept-cars para transmitir as suas ideias sobre novos tipos de veículos e novas formas de utilização do automóvel, ou para partilhar conceitos da filosofia da Marca, como a modernidade, o conforto e a utilização inteligente da tecnologia.

A busca por performances cada vez mais eficientes e ambientais tem sido um dos principais eixos no design dos concept-cars da Citroën, sem negligenciar aspectos como a aerodinâmica. Em 1988, o Activa 1 trouxe à ribalta a suspensão hidrativa com sistema anti-patinagem, que mais tarde equiparia tanto o Citroën XM como o Xantia.

A aerodinâmica é também um aspecto chave em concepts como o C-Metisse de 2006, elaborado num estilo arrojado e com prestações dignas de um desportivo, com consumos moderados, graças ao seu baixo peso e à sua motorização eficiente.

Esta linha foi seguida, no mundo virtual, pelo GTbyCitroën, uma proposta dotada de um design poderoso e robusto, projectado para optimizar a performance e a estabilidade no videogame “Gran Turismo 5”.

Em 2010, a Citroën apresentou os concept-cars Revolte e Survolt para romper preconceitos sobre a falta de emoção na mobilidade eléctrica, apostando em veículos eléctricos plug-in e híbridos com um design atraente e de elevado desempenho. Nesta linha, o CXperience Concept de 2016 acrescenta à velocidade máxima, à potência e ao prazer da condução a filosofia do programa Citroën Advanced Comfort, combinando uma silhueta ousada e tecnologias de vanguarda num ambiente luminoso e num isolamento sensorial dos ocupantes que buscam o maior bem-estar.

Através dos concept-car, a marca também abordou aspectos como o lazer, as grandes viagens e a liberdade. Propostas como o Citroën C-Buggy, apresentado em 2008, o Tubik, inspirado no furgão Type H de 1948 e projectado para devorar quilómetros em total conforto, ou o Cactus M de 2015, expoente de um espírito outdoor que busca evasão, liberdade e bem-estar, são alguns exemplos que alcançam a máxima expressão no SpaceTour Riper Ripp Concept, uma auto-caravana compacta, sólida e extraordinariamente prática. No que toca à sua visão sobre o futuro do automóvel, a Citroën aponta decisivamente para a electrificação e para o conforto.

Já em 2000, o Osmose antecipara tendências como o carsharing ou a possibilidade de se reservar, através de um smartphone, um veículo para cumprir um determinado percurso, além de incorporar ecrãs sensíveis ao toque, sistemas de câmara traseira, ecrãs com informações de trânsito e hibridização com modo 100% eléctrico.

Mais recentemente, o Ami One Concept de 2019, embrião do mais recente lançamento da Marca, ofereceu uma nova alternativa de mobilidade urbana, apostando no carsharing, na condução autónoma e na conectividade. Por seu turno, o 19_19 Concept, destinado a viagens e deslocações mais longas, adopta uma abordagem absolutamente inovadora em matéria de autonomia, conforto e performance.

À semelhança do que foi realizado nos últimos 40 anos, os concept-cars da Citroën marcaram sempre a forte personalidade de uma Marca que sempre se mostrou moderna, actual e dirigida para o futuro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *