24 Horas C1 Portimão decidida na penúltima volta

G-Tech/RPMotorsport (PRO), Razão Automóvel (AM), Oestkart 2 (BE|NL) e Emax Motor Sport 1 (UK|IE) foram os grandes vencedores das 24 Horas C1 Portimão, com os dois primeiros a terminarem separados por escassos 4,3 segundos. Pilotos, equipas e adeptos prestaram última homenagem a Paulo Alves.

(auto.look2010@gmail.com) – Fotos: DIOGO ALEIXO

O Autódromo Internacional do Algarve recebeu, no último fim de semana, uma jornada memorável das 24 Horas C1 Portimão. A ronda inaugural do novo troféu Endurance e prova rainha do Troféu C1 Learn & Drive, reuniu em pista os emocionantes e irreverentes C1, juntando no traçado algarvio uma comitiva de 34 modelos da Citroën.

Na icónica competição organizada pela Motor Sponsor desfilaram mais de 150 pilotos, colocando ao cronómetro cinco nacionalidades em duelo: Portugal, Bélgica, Irlanda, Países Baixos e Reino Unido.

Um evento que se assumiu como uma grande experiência, ao reservar a todos os concorrentes 27 Horas ao cronómetro (3 Horas de treinos cronometrados e corrida de 24 Horas), disputadas sob intenso calor, e onde desportivismo e competitividade foram os barómetros de um fim de semana memorável em pista e no paddock.

Uma jornada que colocou no traçado algarvio um total de quatro classes na discussão pela vitória: PRO e AM (Portugal); BE|NL (Bélgica e Países Baixos) e UK|IE (Reino Unido e Irlanda).

Um fim de semana que teve nas duas sessões de treinos cronometrados o primeiro momento oficial em pista. Na PRO, a “pole position” foi assinada pela G-Tech/RPMotorsport, com a Casiraghi Cars 88 a carimbar o melhor tempo na AM.

Entre as equipas provenintes do estrangeiras, a Oestkart 2 foi a melhor da classe BE|NL e a Emax Motor Sport 1 replicou o feito na classe UK|IE.

Estavam assim lançados os primeiros indicadores para aquela que viria a ser uma memorável jornada de 24 Horas no Autódromo Internacional do Algarve. Uma corrida que foi antecedida por um momento simbólico de grande importância: uma homenagem a Paulo Alves, membro da direção da Associação Nacional de Pilotos de Automóveis Clássicos (ANPAC), recentemente falecido. Um momento que juntou em pista uma moldura de amigos, pilotos, equipas e adeptos para um minuto de silêncio em sua memória.

Após o que, os olhares voltaram a centrar-se na contagem decrescente para o início da icónica corrida de resistência, com a tensão a juntar-se ao muito calor que se fez sentir e que elevou os níveis de exigência destas 24 Horas C1 Portimão a novos patamares.

G-TECH/RPMOTORSPORT SUPEROU A CLASSE PRO

Em prova, as 34 equipas levaram os C1 ao limite, numa empolgante corrida que teve na G-Tech/RPMotorsport e na Oestkart 2 as equipas que dominaram as operações na frente. Estruturas que, embora de classes diferentes, protagonizaram um fabuloso duelo ao longo das 24 Horas, marcado pelas várias trocas de posição e respetiva liderança.

Uma salutar e memorável disputa em pista que teve um final escrito a emoção, quando, na penúltima volta das 24 Horas C1 Portimão, a G-Tech/RPMotorsport superou a Oestkart 2 em plena reta da meta, num desfecho de nervos, com as equipas a cruzarem a bandeira de xadrez separadas por meros 4,364 segundos, após uma “viagem” de 24 Horas ao cronómetro.

Com este desfecho, a G-Tech/RPMotorsport, de Fernando Mayer Gaspar, Ricardo Pereira, Diogo Lopes, Diogo Matos e André Pardal, foi a primeira das 34 formações a passar a linha de meta, numa prova em que a equipa venceu a classe PRO e totalizou 518 voltas ao Autódromo Internacional do Algarve.

Uma marca que constitui um novo recorde, ao superar as 506 voltas realizadas pela Termolan na edição de 2019. Na segunda posição da PRO, e a quatro voltas dos vencedores, terminou a WallUp Woodlab, de Jorge Passanha, Pedro Antunes, Gonçalo Gaivão e João Baptista.

O terceiro lugar da classe foi alcançado pela Tzi Designs Racing Team, de António Ferreira, Tiago Carvalho, João Oliveira, Tiago Mesquita e João Moreira. Para Fernando Mayer Gaspar, da G-Tech/RPMotorsport, este foi um grande triunfo de equipa: «Estou sem palavras. O objetivo era tentar ganhar a classe e acabámos por cruzar a meta em primeiro, depois de uma grande luta com Oestkart 2 durante a prova, com um stint final que foi uma loucura, no qual os ultrapassámos na penúltima volta. O carro esteve muito bom, fizemos uma boa gestão de boxes, funcionámos sempre como equipa, e acho que esse equilíbrio foi o segredo», referiu.

RAZÃO AUTOMÓVEL IMPERIAL NA CLASSE AM

A classe AM foi marcada pela forte discussão dos lugares cimeiros, com várias trocas de líder na fase inicial da corrida. Um primeiro lugar pelo qual passaram Casiraghi Cars 88, Casa da Eira, Razão Automóvel e CRC/Imotion/Novimed.

No entanto, seria a partir das 7 Horas de corrida que a vitória se começaria a desenhar, quando a Razão Automóvel, de Diogo Teixeira, João Reis, Diogo Salvador e Nuno Antunes, assumiria em definitivo o comando da classe que viria a vencer.

O segundo posto foi alcançado pela CRC/Imotion/Novimed, de Pedro Pinha, Rodrigo Cordeiro, Ricardo Cordeiro, João Pinha, Hugo Antão e Nuno Villar Gomes, com a Bugaparts Motorsport, de Rui Nunes, Samuel Eufrásia, Mário Rato e Pedro Palma, a fechar o pódio da AM.

Recorde-se que tanto João Reis como Diogo Salvador, começaram a sua carreira como pilotos na C1 Academy Razão Automóvel — a escola de iniciação ao automobilismo fundada pela Motor Sponsor em parceira com a Razão Automóvel.

O primeiro venceu em 2020 e, o segundo, foi um os vencedores da edição de 2022, mostrando mais uma vez a validade do projeto C1 Academy Razão Automóvel.

Um triunfo que Diogo Teixeira, da Razão Automóvel, descodificou com precisão: «O principal foi conseguirmos estar devidamente coordenados e organizados enquanto equipa e ao nível do trabalho nas boxes, para prevenir ao máximo quaisquer erros. Objetivos alcançados, que nos permitiram, inclusivamente, fazer face ao facto de não termos tido comunicação com o carro durante mais de 20 Horas. No final, fica o sentimento de total missão cumprida e de termos alcançado um feito espetacular», sublinhou.

OESTKART 2 LOGROU O TRIUNFO NA CLASSE BE|NL

Na classe BE|NL, a vitória ficou nas mãos da Oestkart 2, de Tristan Foldesi, Calvin de Groot, Mathias Ronzani e Fabrice Cornelis, seguida da MotorSportOlie.NL, de Jochem Mentjox, Ramon Wolf, Rianne Bergman e Niels Molkenboer, segunda classificada, e da Oestkart 1, de Yentl Baert, Maarten Bijnens, Lenz de Vlaeminck e Sepp Peters, equipa que terminou na terceira posição.

 Uma vitória com um final de nervos para a Oestkart 2, conforme refere Calvin de Groot: «Foi um fim de semana difícil e exigente para os pilotos, mas também para os carros. No último stint da corrida tivemos um problema de caixa de velocidades e ficámos sem embraiagem, o que nos fez perder bastante tempo. No entanto, conseguimos terminar e vencemos a classe, o que é fantástico. Foi uma fabulosa corrida, embora complicada de gerir e marcada pelo muito calor, mas sabemos que isso faz parte do desafio», esclareceu o piloto.

EMAX MOTOR SPORT 1 IMPLACÁVEL NA CLASSE UK|IE

Já entre a comitiva da classe UK|IE, o triunfo sorriu à Emax Motor Sport 1, de James Little, Jake Little, Stuart Ratcliff e Max Finn, com a segunda posição a ser ocupada pela Emax Motor Sport 3, de John Proctor, Andy Ferady, James Page, James Taylor, Ashley Carter e Glen Finn, e o terceiro posto a ficar nas mãos da Flat Shtick Racing, de Kevin Kilgarriff, Myles Redmond e Stephen Gallagher.

 

Para Glen Finn, responsável pelas três formações da Emax Motor Sport presentes em prova, o pensamento está já em 2023: «Foi um enorme prazer estarmos nas 24 Horas C1 Portimão. Em termos humanos, adoramos os portugueses e o espírito de camaradagem que existe. Por outro lado, o circuito é fantástico e os níveis de pilotagem aqui são fabulosos. Queremos sem dúvida voltar já no próximo ano e, se possível, com um maior número de carros e também com mais pilotos. É esse o desejo», referiu.

ANDRÉ MARQUES: “DESENHAR

UMA EDIÇÃO INESQUECÍVEL”

Uma edição memorável que o responsável máximo da Motor Sponsor, André Marques, sublinha: «Desde o primeiro momento que quisemos desenhar uma edição inesquecível para pilotos, equipas e adeptos. Para tal, a par da competição em pista ser só por si uma experiência única, com 27 Horas ao cronómetro, criámos prémios monetários para os sete melhores classificados das classes PRO e AM, prémios de fair play destinados a todos os concorrentes, e classes exclusivas para as equipas estrangeiras».

«No final, reunir mais de 150 pilotos, juntar cinco nacionalidades e 34 C1 num único evento é um marco no desporto automóvel nacional que muito nos orgulha. Uma prova que decorreu sem incidências e que refletiu na perfeição o espírito do Troféu C1 Learn & Drive, com muita competitividade e um excelente ambiente, dentro e fora de pista», acrescentou André Marques.

«Os C1 mostraram mais uma vez toda a sua fiabilidade e que o troféu constitui uma verdadeira opção para competir em Portugal a custos realmente controlados, mesmo numa prova de longa duração. Muito obrigado a toda a minha equipa e a todos os que contribuíram para o sucesso desta edição e, em particular, uma palavra para o Paulo Alves, pessoa a quem este troféu estará eternamente grato por tudo aquilo que fez para podermos estar aqui hoje. Muito obrigado Paulo, e até sempre», sustentou o “patrão” da Motor Sponsor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.