22 mil pessoas emolduraram traçado em Coimbra

A estreia da super-especial de Coimbra do Vodafone Rally de Portugal ficou amplamente marcada pela maré de entusiasmo de público, proporcionado um fantástico ambiente em redor do traçado. Segundo o Automóvel Club de Portugal, assistiram ao vivo 22 mil pessoas.

CARLOS SOUSA (carlos.sousa@autolook.pt)

Está provado que o desporto motorizado move multidões. Só não vê quem, realmente, não quer ver. Foi assombrosa a estreia da super-especial de Coimbra, com uma enorme multidão a vibrar com o espetáculo proporcionado pelos melhores pilotos e mais competitivas viaturas da modalidade.

No plano desportivo, a cidade do Mondego coroou Thierry Neuville (Hyundai i20 N Rally1), a sair para as especiais de Lousã, Góis, Arganil – a percorrer por duas vezes –, Mortágua e a super-especial de Lousada para esta sexta-feira. O piloto belga foi bastante aplaudido ao longo dos primeiros 2,82 quilómetros da 55.ª edição da prova organizada pelo Automóvel Club de Portugal (ACP), respondendo com uma condução segura que lhe valeu a liderança.

Armindo Araújo, navegado por Luís Ramalho, conduziu o Skoda Fabia Rally2 Evo ao topo entre os melhores portugueses em prova, com o piloto tirsense, líder do Campeonato de Portugal de Ralis, a recolher também o incentivo do público. Bruno Magalhães e Carlos Magalhães colocaram o Hyundai i20 N Rally2 no segundo lugar, com os campeões nacional em título, Ricardo Teodósio e José Teixeira (Hyundai i20 N Rally2) a ocupar a terceira posição, enquanto Miguel Correia e José Carvalho (Skoda Fabia Rally2 evo) quedou-se pelo quarto melhor registo.

Mas o espetáculo estendeu-se, também, às exibições das viaturas que marcaram a história do WRC nos últimos 50 anos, com destaque para os saudosos ex-Grupo B e para o desempenho de pilotos como Walter Röhrl ou dos mais improváveis André Villas Boas e Filipe Albuquerque.

Sublinhe-se que, antes do arranque da super-especial, Coimbra acolheu também a tradicional cerimónia de partida, em que milhares de espetadores tiveram o privilégio de ver uma exposição de carros de ralis lendários, para celebrar o 50.º aniversário do Campeonato do Mundo de Ralis FIA que se assinala em Portugal.

Liderados pelo ex-bicampeão do mundo Walter Röhrl, no Opel Ascona 400 com que conquistou o título de 1982, vários pilotos deram espetáculo, em fantásticas máquinas de outros tempos do WRC, ao longo do traçado da super-especial. Foi também o alemão Walter Röhrl quem encerrou o desfile, agora aos comandos de um Audi Sport Quattro.

Em suma, e na véspera da abertura da Queima das Fitas, a cidade de Coimbra acolheu o Vodafone Rally de Portugal, com uma inédita e espetacular super-especial que abriu as “hostilidades” da 55.ª edição da prova lusitana. Um dia pleno de emoções que ficou na memória dos cerca de 22 mil espetadores que se espalharam pelos 2,82 quilómetros de percurso desenhado junto às margens do rio Mondego.

Para esta sexta-feira, os pilotos têm pela frente 121,67 quilómetros disputados ao cronómetro, percorridos em oito classificativas, sete das quais realizadas no Centro do país – Lousã, Góis, Arganil (a percorrer por duas vezes) e Mortágua, a que se junta a super-especial de Lousada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.