12 Horas do Estoril e SBK apresentadas em Cascais

Foram apresentadas, oficialmente, as duas provas de encerramentos dos Mundiais de Resistência (EWC) e Superbike, a realizar no Estoril já nos próximos dias 24, 25 e 26 de Setembro (EWC), cabendo às Superbike regressar ao Circuito do Estoril nos dias 16, 17 e 18 de Outubro.

(auto.look2010@gmil.com)

O lançamento oficial de ambas as provas decorreu na Marina de Cascais com todo o esplendor da baía “salpicada” pelos barcos de recreio e pesca a ser o fantástico pano de fundo para que fossem desvendados os pormenores daquelas que serão as provas que decidem campeões do mundo neste ano de 2020.

O título mundial de resistência está por atribuir e será no asfalto do Estoril que se conhecerá o nome da equipa – e respectivos pilotos – que vencerão o EWC. Esta será a terceira vez – quarta em Portugal – que se realiza uma prova deste campeonato no Estoril e tanto em 1993 como em 2000 foram os pilotos da equipa oficial da Suzuki (Suzuki Endurance Racing Team) a vencer. A Suzuki está na frente do campeonato e neste derradeiro duelo do ano – com 12 horas de duração – terá que enfrentar os ataques da FCC TSR Honda France, YART Yamaha e BMW Motorrad World Endurance Team, equipas que estão no circuito preparadas para retirar a primazia aos franceses.

As Superbike regressam igualmente pela terceira vez ao Estoril, depois de 1988 e 1993 terem enchido as bancadas do circuito junto a Cascais, e esperam-se igualmente decisões de títulos e também boas prestações por parte dos pilotos portugueses em prova.

No momento da apresentação onde estiveram representantes da Câmara Municipal de Cascais, do Turismo de Cascais, Motor Clube do Estoril, Circuito do Estoril e Federação de Motociclismo de Portugal, António Lima, presidente do Motor Clube do Estoril, destacou «a importância do dr. Jorge Viegas, presidente da FIM, para que estas provas pudessem ser realizadas no Estoril e todo o investimento humano e financeiro feito pelos parceiros, em especial a Câmara Municipal de Cascais e o Circuito do Estoril, para que as mesmas pudessem ser realizadas».

«São provas que trazem muita gente a Cascais e que são também fonte de retorno económico directo na região num final de ano em que são quase uma dezena as provas internacionais a realizar no Circuito do Estoril», sustentou o dirigente.

António Lima reforçou igualmente a possibilidade de que a prova das Superbike possa vir a ser realizada com público nas bancadas, tendo sido apresentado «um plano de contingência ao nível do que outros espectáculos fizeram para o efeito». «Aguardamos a resposta da Direcção-Geral de Saúde para sabermos se será possível ou não, mas seria muito bom podermos fechar o Mundial Superbike com os amantes do motociclismo junto de nós», reforçou o responsável pelo clube que mais uma vez é anfitrião dos melhores pilotos do mundo.

A prova de encerramento do Mundial de resistência arranca no sábado às 8h30 e vai contar com a participação de 23 equipas e cerca de 80 pilotos, entre os quais o sul-africano, naturalizado português, Sheridan Morais, um dos candidatos a um lugar no pódio.

«É um prazer e uma honra para o Circuito do Estoril ter este tipo de eventos, principalmente os Campeonatos do Mundo. Isso quer dizer que o Circuito do Estoril está na esfera dos circuitos dos Campeonatos do Mundo, principalmente do motociclismo e não está esquecido. É uma aposta do Circuito e do accionista no desenvolvimento do desporto e da divulgação do Circuito além-fronteiras. Só temos pena de ser um ano atípico, de pandemia, e será difícil termos público nas bancadas», afirmou Anne da Câmara, representante do Autódromo do Estoril.

A presença de público nas bancadas naquela que será a quarta vez do Mundial de Resistência em Portugal, depois das edições de 1983, 2000 e 2016 em Portimão, com Miguel Oliveira em prova, ainda é uma incógnita e aguarda o parecer da Direcção-Geral da Saúde (DGS).

Bernardo Corrêa de Barros, presidente da Associação de Turismo de Cascais, assegura ser «extraordinário e fundamental este impulso que o Motor Clube, a Federação de Motociclismo de Portugal, o Autódromo do Estoril, juntamente com a Câmara Municipal de Cascais e o Turismo de Cascais estão a dar ao turismo.

«É já histórico e estratégico a aposta no motor, seja nas motos, automóveis ou clássicos. Mas ter o Mundial de Resistência de volta ao Estoril é estratégico para a indústria do turismo. Vamos coroar mais um campeão do mundo em Cascais», destacou Corrêa de Barros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: